Notícias

Entrevista a Andrés Mendigacha, Responsável pelo Canal Profissional da Bellota Herramientas

Andrés Mendigacha

Responsável pelo Canal Profissional da Bellota Herramientas

 

 

"Se um produto não satisfaz os nossos requisitos, não entra no mercado"

 

 

Nascido em Legazpi, tal como a Bellota Herramientas (assim o indica Andrés com orgulho), e criado na cultura industrial da área onde a vida gira em torno do ferro e da sua transformação. Ao longo dos anos "toda a minha família se mudou para Valência, por isso tive a sorte de desfrutar de ambas as experiências e poder sentir-me de ambos os lugares".

 

Mais de 30 anos neste setor

Sim, no início dos anos 90 entrei no mercado como agente comercial liderando diversas empresas relacionadas com ferragens e construção, e foi onde pude conhecer não só as ferragens e o mundo industrial, como também o mundo do abastecimento para a construção, através da venda de produtos, tais como andaimes, discos diamantados, mangueiras, etc.

Já em 1995, juntei-me à Bellota Herramientas através do meu pai, num novo projeto nacional com mais 4 colegas. Comecei na delegação de Levante-Baleares, ajudando também pontualmente nas Ilhas Canárias.

Posteriormente, fui responsável pelas grandes contas nacionais e há 7 anos que sou o responsável pelo Canal Profissional, ou seja, tudo o que não está relacionado com o chamado canal moderno.

 

Como é que nos apresentaria a Bellota organizacionalmente?

Desde a sede da Bellota Herramientas, em Legazpi, gerimos a Europa, a Ásia e a África, embora o nosso diretor-geral Pablo Iceta também seja responsável pela LATAM e pelas suas diversas fábricas.

A nossa estrutura é muito simples: temos, como todas as empresas, os nossos diversos departamentos e aplicamos conceitos como ouvir o utilizador e os nossos clientes, o compromisso com a marca, etc., e tudo isso faz com que vamos todos na mesma direção.

Industrialmente, optou-se pela cultura Lean, dando valor sobretudo ao produto e ignorando tudo o que não contribua para o produto ou para a marca.

A nível nacional, temos delegados e representantes de vendas em todas as áreas, bem como diversas equipas de vendas nos restantes países, que também são geridas desde Legazpi. Todos dependemos comercialmente do nosso diretor comercial, Bienvenido Calvo.

 

O que é que pensa que é a melhor carta de apresentação da Bellota? A Bellota continua a ser uma empresa muito próxima e familiar.

A Bellota é uma das poucas marcas com fabrico nacional que se mantém após mais de um século de fabrico (especificamente, 115 anos a fabricar ferramentas), pelo que nunca houve uma mudança percebida relativamente ao mercado, nem relativamente ao utilizador. É claro que houve mudanças ao longo dos anos, mas isso não significou um distanciamento dos clientes nem dos utilizadores. A Bellota está em todas as casas há várias gerações: se não é com uma enxada, é com um martelo, ou com uma lima, uma foice, uma pá, etc. Na verdade, não é incomum que quando dizemos que trabalhamos na Bellota nos digam: bem, eu tenho uma ferramenta vossa, ou um martelo, ou uma paleta herdada do meu avô que ainda guardo... É algo de casa, “de sempre”, algo que se compra com um certo carinho, visto também fazer parte da própria história.

Além disso, hoje temos a sorte de, mesmo nas linhas de produtos mais recentes como é o caso do calçado de segurança, dizerem que o estamos a usar, com "isto é Bellota".

 

Operacionalmente, como está estruturada a Bellota Herramientas?

Atualmente, a Bellota tem 14 fábricas, embora as relacionadas com ferramentas manuais e calçados de segurança sejam pouco menos de metade. Especificamente, em Espanha temos 3 fábricas, e outras 3 entre o México e a Colômbia, além de fabricarmos também alguns produtos noutros países do continente americano. Na devida altura, a Bellota optou por crescer e estabelecer-se na América, de modo que a perceção da marca que temos aqui, também é percetível lá.

 

Nesta altura, qual é a oferta da Bellota no mercado espanhol da distribuição de materiais de construção?

A Bellota Herramientas é especialista em três setores específicos: agricultura/jardinagem, calçado de segurança e ferramentas de construção. O setor da construção é um dos nossos principais mercados e,

neste sentido, fornecemos tudo o que um utilizador de construção precisa para trabalhar, quer se trate de um ladrilhador, quer de um pedreiro, estucador, etc.

 Temos um catálogo construído pela experiência de muitos anos de fabrico, baseado na qualidade e na escuta do nosso utilizador final. Qualquer produto que a Bellota lance no mercado é concebido com base nos comentários fornecidos pelos utilizadores e, como se isso não bastasse, antes de lançá-los, são intensamente testados por eles próprios.

Além disso, e em conjunto com a ferramenta, neste momento podemos dizer que o nosso calçado de segurança é uma das referências no setor da construção, tal como as nossas paletes forjadas, os nossos martelos e muitos outros produtos relacionados com o setor.

Nos últimos anos, temos apostado no aumento do nosso catálogo dedicado ao azulejo, em cujo setor já somos líderes nas suas ferramentas, mas temos a certeza de que podemos ajudar ainda mais com novos produtos.

 

Há algum lançamento de novos produtos no horizonte?

A Bellota é muito dinâmica no lançamento de novos produtos em todos os setores onde é especialista. Para este ano, temos muitas novidades na agricultura com o nosso departamento de Bepower, onde haverá lançamentos de máquinas para a agricultura e o jardim, tais como roçadeiras, pulverizadores elétricos, etc.

No que diz respeito à construção, acabámos de lançar novos discos de diamante flexíveis, cunhas de diamante, talochas especiais e também novos cubos de borracha que faltavam por aqui, três novos misturadores e o laser para ladrilhos, etc. Isto é só uma parte, mas até ao fim do ano vamos ter alguns desenvolvimentos muito importantes que ainda não posso adiantar.

Ainda tenho de falar sobre o calçado de segurança, uma parte muito importante e do qual fizemos o primeiro lançamento totalmente Made in Spain. Estes são os novos modelos RUN fabricados na nossa nova fábrica de calçado localizada em La Rioja.

A Bellota optou por fabricar calçado de segurança em La Rioja, recuperando os conhecimentos da área nesta matéria e aproveitando todas as vantagens de ser um fabricante nacional. Os novos modelos RUN terão um design, mas com as mais recentes tecnologias em solas, palmilhas, tecidos, etc.

 

 

“A Bellota optou por fabricar calçado de segurança em La Rioja, recuperando os conhecimentos que a área tem nesta matéria”

 

 

Onde é que pensa que se encontra o sucesso da Bellota?

Na qualidade e no reconhecimento da marca. A qualidade tem sido a principal coisa desde que Patricio Echeverria fundou a fábrica em 1908. "Se um produto não satisfaz os nossos requisitos, não entra no mercado" Seja de uma das nossas linhas Legazpi, ou de qualquer outra empresa do grupo.

Isto deu-nos um dos mais altos reconhecimentos de marca do mercado.

Num mundo onde as marcas estão a ser desvalorizadas, defendemo-nos com a qualidade do nosso produto. Se espera ter um alto desempenho, deverá ter qualidade e preço compatíveis.

Em materiais como o aço, desde o fabrico e do próprio tratamento, passando também por todas as reconversões do setor, todo este tempo significou anos e anos de experiência e deu à Bellota o que hoje poderíamos classificar como um “pool de conhecimento” mas que, infelizmente, se perdeu em muitos lugares.

 

Como analisa o setor da distribuição dos materiais de construção em Espanha?

O material de construção é um dos setores que mais e melhor evoluiu nas últimas três décadas, de que tenha conhecimento. Lembro-me das lojas dos anos 90, olho para as de agora e não têm nada a ver umas com as outras. Imagem de marca, lojas arrumadas, serviços impensáveis há 30 anos, etc. Para mim, um dos setores que mais evoluiu.

 

O que pensa ser, neste momento, a grande área pendente do setor?

Na minha humilde opinião, por um lado, ajudar aqueles que ainda não abraçaram a reestruturação das lojas para os novos tempos e, por outro, a digitalização dos negócios. O comprador está a mudar e a maneira de comprar também. Digitalização não é ter um site de vendas, é ter serviços, dados e métodos digitais. Coisas básicas para um utilizador, tais como poder saber online se uma loja tem um produto, ter um suporte digital dos produtos que vende, atualizações, etc. Começar com algo tão básico como ter o stock inventariado atualizado. Só é preciso ver os dispositivos que mais usamos diariamente, tem-se de aparecer neles.

Compartilhe as novidades

RETORNA

Patrocinadores Premium

Schluter Systems
Emac
Spit
Propamsa
Tomecanic
Soprema